sábado, 29 de julho de 2017

EU MANDACARU

Pintura: Adriano Santori

A aridez do terreno em que brotei
Não logrou impedir meu crescimento.
Eu sou cacto verdoso e espinhento!

Mas além dos espinhos que forjei,
Sou por dentro a doçura apurada,
Sou poema que cresce pela estrada,
Sou o grito da vida que resiste,
Sou metáfora do povo que insiste
Em viver enfrentando o sofrimento.

Sou o sorriso teimoso do momento
Em que sonho ser mais do que agora!

Não é pouca a vileza do que enfrento.
E o mal deste mundo me devora...
É o amor que inexiste nas pessoas,
É a angústia que existe aqui dentro
Azedando o sabor das coisas boas...

Os meus versos atestam que estou vivo
E enquanto existir algum motivo
Para crer num amanhã ainda possível
Viverei. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário