quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

CARTA SEM RESPOSTA

Olá! Como vai? Dá-me um momento…
E me fala como foi tua viagem.
Pois aqui, só me sobrou a estiagem,
Por perdê-la, um total padecimento.

Dá-me um “olá”, um sinal, algum contraste.
Eu te imploro que ateste que inda existe,
Porque aqui cada vez fico mais triste,
Convivendo com o buraco que deixaste.

Desespero é a palavra que desenha
O destino de quem não cede à saudade.
Essa vida não depende da vontade!

Ela é dura, insensível e desdenha
Desta lágrima indecente que escorre
Do poeta que escreve a quem morre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário