quinta-feira, 24 de abril de 2014

MARCHA LONGARINA

O poema, em métrica de cordel de oito pés, tem este nome inspirado numa música do magnífico cearense Ednardo, e apresentada a mim pelo amigo Eliton Meneses, a quem digo ser mais dele do que meu!

Marcha rumo o gradiente
Do sol despontando quente
Uma multidão fremente
Com passadas ritmadas
Suas faces vão voltadas
Para o céu e para o mar
E o cantado caminhar
Abre-se a novas estradas!

A toada que conduz
Este povo para a luz
No arranjo nos aduz
Ao amor e à esperança
Ao fazer-se a aliança
Com o suspirar do vento
E com o alumbramento
De uma sincera criança!

E o fio que amarra
Que dá força, que dá marra
Não é banda nem fanfarra
É de fluir natural
Canta o povo em coral
Versos simples de união
Veia aberta em contramão
À barreira temporal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário