terça-feira, 29 de abril de 2014

DO POEMA A TI, MENINA!


Só tu e mais ninguém sabe o que faz
De bem em mim, fecundo aconchego
Nos versos que a ti faço e no sossego
Em vê-la lê-los, sim, amo-a tão mais!

Contudo, se perdê-la, ó dama minha
Em vão risco, meu poema já definha
Não sai nada, a ausência me domina
E se tento, a letra cai, caduca a rima!

Não sou nada sem a tua inspiração!
Se a perco, perco o rumo da canção
Se a perco, o aperto vem me sufocar!

Menina, não fales, não rias, só quero
Olhar-te enquanto me ainda tolero
Cantar, sofrer, morrer no versejar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário