sábado, 4 de janeiro de 2014

POR ELA

Porque toda vez que ela dança
alcança o meu peito
a flor lancinante,
desfecha o desejo
de tê-la
em meu leito,
cantando pra mim.

Ah, se eu ficasse tonto
na roda da saia dela,
babando ao pé do babado
feito cão sem dono
à procura DUMA bela!
tolo atrapalhado que sou...

E na valsa que componho,
ensaio cada passo
que não dou.
Consola, entretanto,
que ela me visite em minhas ilusões -
confusões evitei por compô-la
e inventá-la noite-e-dia,
sabendo que a magia
consiste no fato consumado
de ela não existir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário