quinta-feira, 8 de agosto de 2013

CARNAUBAIS


Solto nos carnaubais
Fui sabiá
E também moleque
Feito índio
Corri
Estrepei-me
Sorri
Vivi com a alegria
Dos galos de campina
E soube do passar do tempo
Como a poeira que esconde
As carnaúbas
E mantém
Silenciosa
Aquele zoar saudoso
De palhas entre palhas
Frescor entre a sequidão
E a paz do sertanejo
Que tem na natureza
Seu abrigo
E nas carnaúbas
Irmãs.

Serei
Então morto
Um dia
Uma carnaúba anciã
Estalando por sobre o sol
Vermelho
Nas tardes do tempo que não virá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário