segunda-feira, 29 de abril de 2013

ELOGIO-ME

O elogio que te dou,
Loucura estranha,
Não cabe em palavras;
É duro e cru,
Como a realidade que vês
E sofres tão nítida.

O elogio que te dou,
Dor nas entranhas,
De fato, temo expressar,
E não resistir
À barbaridade humana,
Singular e obscura.

O elogio que te dou,
Irmã onipresente,
Receia e foge
De si mesmo e outrem,
Nega-se e renega-se
A todo e ninguém.

É a contradição,
Dor e gozo,
Em veia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário